quinta-feira, 18 de agosto de 2016

46 História Eclesiástica de Eusébio de Cesareia Livro VII – Capítulos 26 a 29

46
História Eclesiástica de Eusébio de Cesareia
Livro VII – Capítulos 26 a 29

 

O que refletimos no texto passado?

O que veremos hoje
XXVI - Das cartas de Dionísio
XXVII - Sobre Paulo de Samosata e a heresia que suscitou em Antioquia
XXVIII - Os bispos ilustres que eram célebres naquele tempo
XXIX - De como se rebateu Paulo e este foi excomungado


XXVI - Das cartas de Dionísio
1.            Além destas cartas, conservam-se também muitas outras de Dionísio, como a dirigida a Ammon, bispo da igreja de Bernice, contra Sabélio; a Telesforo, a Eufranor; novamente a Ammon e a Euporo, contra Sabélio. E sobre o mesmo tema compôs também outros quatro escritos que dirigiu a seu homônimo de Roma Dionísio.
2.            E entre nós, além destas, existem também muitas cartas suas e inclusive prolixos tratados em forma de cartas, como os dedicados a seu filho Timóteo Sobre a natureza, e o outro Sobre as tentações, que também dedicou a Eufranor.
3.            Além destas obras, escrevendo também a Basílides, bispo das igrejas de Pentápolis, ele mesmo diz que escreveu um Comentário do começo do Eclesiastes. E deixou-nos diversas cartas dirigidas ao mesmo.
Tudo isto escreveu Dionísio, mas, depois de historiar estas coisas, já é hora de que entreguemos ao conhecimento da posteridade também como era nossa geração[1].

XXVII - Sobre Paulo de Samosata e a heresia que suscitou em Antioquia
1.            A Sixto, que presidiu a igreja de Roma durante onze anos, sucedeu Dionísio, homônimo do de Alexandria[2]. E neste tempo, ao emigrar também Demetriano desta vida em Antioquia, recebeu o episcopado Paulo, o de Samosata.
2.     Como este, contrariamente ao ensinamento da Igreja, tinha acerca de Cristo pensamentos baixos e ao nível do chão, dizendo que por natureza foi um homem comum, Dionísio de Alexandria, convidado para assistir ao concilio, dando como desculpa sua velhice e debilidade corporal, adia sua presença pessoal, e por meio de uma carta expõe seu pensamento sobre o tema debatido. Os outros pastores das igrejas, por outro lado, cada qual de sua terra, iam se reunindo como contra uma peste do rebanho de Cristo, e todos se apressavam em direção a Antioquia.

XXVIII - Os bispos ilustres que eram célebres naquele tempo
1.            Entre eles, os que mais sobressaíram foram: Firmiliano, bispo de Cesaréia da Capadócia; os irmãos Gregório e Atenodoro, pastores das igrejas do Ponto; e depois deles, Heleno, da igreja de Tarso, e Nicomas, da de Iconio. Mas não somente eles, como também Himeneo, da igreja de Jerusalém; e Teotecno, da de Cesaréia, limítrofe desta; e além destes, Máximo, que dirigia também com muito brilho os irmãos de Bostra. E não seria muito difícil enumerar muitíssimos outros reunidos junto com os presbíteros e diáconos pelo mesmo motivo na citada cidade; mas de todos, pelo menos os mais destacados eram estes.
2.     Todos pois, reuniram-se para o mesmo, em diferentes e repetidas ocasiões[3]. E em cada reunião levantavam-se razoamentos e perguntas: os partidários do samosatense, tentando ocultar ainda e dissimular o que houvesse de heresia; os outros, de sua parte, pondo todo seu empenho em desnudar e trazer à vista a heresia e a blasfêmia daquele contra Cristo.
3.            Mas por este tempo morreu Dionísio, no décimo segundo ano do império de Galieno, depois de haver presidido o episcopado de Alexandria durante dezessete anos. Sucede-o Máximo.
4.     Tendo sido Galieno dono do poder durante quinze anos completos, foi instituído seu sucessor Cláudio. Este, quando terminou seu segundo ano, transmitiu o principado a Aureliano.

XXIX - De como se rebateu Paulo e este foi excomungado
1. Nos tempos deste, havendo-se reunido um último concilio[4] de numero­síssimos bispos, surpreendido in flagranti e já por todos condenado aberta­mente por heterodoxia, o líder da heresia de Antioquia foi excomungado da Igreja católica que está sob o céu.
2. Quem mais fez para acabar com sua dissimulação e deixá-lo convicto foi Malquion, homem muito eloqüente e diretor da classe de retórica nas escolas gregas de Antioquia; e não só isto, mas também considerado digno do presbiterado da comunidade local, pela excelentíssima legitimidade de sua fé em Cristo. Este havia empreendido contra ele, com taquígrafos que iam registrando, uma investigação - que sabemos que se conservou até nossos dias -, pelo que entre todos somente ele foi capaz de surpreender in flagranti aquele homem, apesar de sua dissimulação e engano.


1.    O que mais te chamou atenção neste texto?
2.    Como ele contribuiu para sua espiritualidade?



  



[1] Eusébio começa a falar de pessoas e fatos que considera contemporâneos seus: aque­las porque morreram depois de seu nascimento; destes porque também ocorriam depois de seu nascimento. E o único ponto de referência para fixar aproximadamente a data deste.
[2] Eusébio toma por anos os onze meses do pontificado de Sixto II (martirizado em 6 de agosto de 258), isto leva a várias incongruências cronológicas.
[3] Isto parece indicar que em Antioquia existia uma espécie de concilio permanente, com sessões mais ou menos intermitentes, até a definitiva, que terminou com a deposição de Paulo de Samosata.
[4] Conforme indicado em 28:2, deve-se entender isto como uma última sessão do conci­lio que já durava alguns anos.